Valdemar questiona legitimidade do segundo turno, mas descarta novas eleições: ‘Péssimo para o país’

Entrevistado na Jovem Pan, o presidente do Partido Liberal, Valdemar da Costa Neto; político ressaltou que um novo pleito teria um alto custo e desmoralizaria o país
Por: Brado Jornal 23.nov.2022 às 20h11
Valdemar questiona legitimidade do segundo turno, mas descarta novas eleições: ‘Péssimo para o país’
MATEUS BONOMI//AGIF//ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, realizou uma nova coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 23, para explicar a representação feita junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o líder partidário, as denúncias devem ser investigadas pois “não pode haver dúvidas sobre o voto do eleitor brasileiro”. Valdemar informou, ainda, que só é possível pegar possíveis falhas no segundo turno, reforçando a tese de que o presidente Jair Bolsonaro (PL) teria sido reeleito com mais de 51% dos votos. Valdemar também reclamou de uma possível falta de isonomia do TSE no pleito, e avaliou que tudo que era ligado ao PL, ou ao atual presidente da República, tinha pronta reação da corte. Na maior parte dos casos, com dificuldade e decisões desfavoráveis. O presidente da sigla disse que se baseou em um artigo eleitoral para fazer um pedido e que quer o cumprimento da lei. Por fim, Valdemar declarou não estar discutindo eleições, mas estar discutindo a história do Brasil. Questionando como a sociedade viverá com o fantasma das eleições de 2022.

Ao ser questionado sobre as declarações, Neto afirmou que não há discussões eleitorais. “Podemos ficar com uma eleição, para o resto da vida, mal resolvida”. O mandatário da sigla pontuou que a lei que trata do pleito trata de indeferimento liminar das eleições que “desde que sejam apresentados fatos e apresentados indícios”. “Qualquer coisa que você tenha dúvida no voto, você não pode tocar para frente”, pontou. Valdemar ressaltou que 279 mil urnas tiveram o mesmo número de identificação, o que impossibilita a checagem e auditoria das mesmas, e pediu uma explicação do TSE. “Não temos sugestões de fazer novas eleições, seria um caos para o país. Você teria que chamar todo mundo para participar, até o camarada que fez 10 votos lá embaixo teria que se manifestar”, argumentou. Em seguida, o político ressaltou que a discussão em torno das urnas refere-se ao segundo turno, já que não foi possível identificar as falhas no primeiro dia de votação, em 2 de outubro. “A situação do país não está permitindo que se convoque novas eleições. É muito dinheiro, é muito desgaste e é uma desmoralização para o país. Seria muito mais fácil você resolver o segundo turno, que não envolve deputado estadual, federal e senador. Para a economia do país, seria uma desgraça”, considerou Valdemar.



📲 Baixe agora o aplicativo oficial da BRADO
e receba os principais destaques do dia em primeira mão
O que estão dizendo

Deixe sua opinião!

Assine agora e comente nesta matéria com benefícos exclusivos.

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar nesta matéria!

Carregar mais
Carregando...

Carregando...

Veja Também
Conselheiro de segurança dos EUA se encontra com Lula, em Brasília
Jake Sullivan vai se encontrar com militar de confiança de Bolsonaro e com o presidente eleito
Aleluia lembra dos constantes vandalismos contra as igrejas de Salvador ao falar sobre a estátua de Mãe Stella e que esses casos são simplesmente esquecidos
O vereador de Salvador afirmou que “não estão interessados em defender o sagrado, mas sim em alimentar as suas narrativas.”
Recuperação de Lula após cirurgia está dentro da normalidade, diz boletim
Há duas semanas, Lula passou por uma cirurgia para a retirada de uma lesão na laringe
Justiça suspende compra de blindados pelo Exército
Decisão liminar foi proferida nesta segunda-feira, 5, pelo TRF1
Moraes manda bloquear redes sociais de Bia Kicis
Parlamentar denunciou determinação no Twitter
Rui Costa é favorito para assumir Casa Civil na gestão Lula
O nome governador da Bahia, Rui Costa (PT), ganhou força nessa reta final do governo de transição como um dos favoritos para assumir a Casa Civil no governo Lula.
Carregando..