OMS batiza nova linhagem de Ômicron e classifica como variante de preocupação

Definição inclui as cepas com o maior nível de atenção pela OMS, como a Alfa (Reino Unido), Beta (África do Sul), Delta (Índia) e Gama (Brasil)
Por: Brado Jornal 26.nov.2021 às 16h49
OMS batiza nova linhagem de Ômicron e classifica como variante de preocupação

A linhagem B.1.1.529 do novo coronavírus foi classificada como variante de preocupação pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (26). A decisão é fruto de uma reunião de urgência convocada pelo grupo de trabalho sobre a Covid-19 da OMS. No comunicado, a OMS também definiu o nome técnico da nova variante: Ômicron.

Identificada em múltiplos países, segundo a OMS, a linhagem tem preocupado cientistas por ter muitas mutações que podem conferir vantagens ao vírus. A cepa foi encontrada na África do Sul, em Botsuana, em Hong Kong e na Bélgica. Até o momento, não há registros da variante no Brasil.

Entenda as três classificações de variantes pela OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) realiza o monitoramento global contínuo das variantes do novo coronavírus. As linhagens são classificadas em diferentes níveis, considerando aspectos de transmissibilidade e risco à saúde.

São três classificações “variantes de preocupação”, “variantes de interesse” e “sob monitoramento”.

A classificação das “variantes de preocupação” reúne as linhagens do novo coronavírus que apresentam alterações que podem afetar as propriedades do vírus, com uma ou mais implicações, incluindo o aumento da capacidade de transmissão ou da gravidade da doença, além de impactos para a eficácia das vacinas, medicamentos e métodos de diagnóstico.

Atualmente, são consideradas variantes de preocupação a Alfa (B.1.1.7), do Reino Unido, a Beta (B.1.351), da África do Sul, a Delta (B.1.617.2), da Índia, a Gama (P.1), do Brasil, e a B.1.1.529, de Botsuana.

Uma cepa do SARS-CoV-2 é considerada uma variante de interesse quando apresenta mutações no material genético com implicações no comportamento do vírus estabelecidas ou suspeitas, como a alta incidência de transmissão em uma localidade, múltiplos casos relacionados à linhagem e a detecção em vários países, por exemplo. Por isso, elas são monitoradas e podem ser reclassificadas como “variantes de preocupação”.

São classificadas como variantes de interesse as linhagens Lambda (C.37), originária do Peru, e Mu (B.1.621), detectada na Colômbia.

Já a classificação “sob monitoramento” é destinada às cepas com alterações genéticas suspeitas de afetar as características do vírus com alguma indicação de risco futuro, mas cuja evidência de impacto epidemiológico não está clara no momento. Para essas variantes, que são oito no momento, é exigido monitoramento aprimorado e avaliação contínua até novas evidências.

A partir da identificação, realizada por meio do sequenciamento genômico do vírus, cientistas buscam responder diferentes questões como a capacidade de transmissão, o aumento da letalidade e se há algum tipo de redução da eficácia das vacinas desenvolvidas contra a Covid-19.

Até o momento, os cientistas detectaram que a variante B.1.1.529 apresenta diversas mutações, o que pode indicar vantagens ao vírus, como uma potencial maior transmissibilidade e o escape dos anticorpos.

No entanto, estudos adicionais são necessários para responder se a nova variante poderá trazer algum tipo de impacto para a eficácia das vacinas contra a Covid-19 em uso no mundo.

Grande número de mutações

A variante B.1.1.529 apresenta uma ampla gama de mutações. De forma isolada, essas mutações podem tanto trazer vantagens ao vírus, como uma capacidade maior de transmissão ou do escape do sistema imunológico, como não representar qualquer tipo de ganho para o microrganismo.

“O que mais chama atenção é que a variante tem um número grande de mutações, são pelo menos 32. Ela tem várias mutações que nós já enxergamos em outras variantes que foram importantes ao longo do tempo, como a variante Alfa”, explica o virologista Fernando Spilki, pesquisador da Universidade Feevale, do Rio Grande do Sul.

Segundo o pesquisador, além das mutações, a nova variante apresenta uma característica chamada tecnicamente de deleção. Por serem estruturas muito simples, os vírus contam com uma grande capacidade de modificação. Em meio a essas alterações genéticas surgem as deleções, que são caracterizadas pela retirada de um ou mais nucleotídeos (que são os blocos que formam o RNA ou o DNA) de um gene.

O virologista explica que a variante apresenta pelo menos três deleções no material genético da proteína Spike, que é utilizada pelo vírus para invadir as células humanas, parte fundamental do processo de infecção pela Covid-19.

“Uma deleção que me chamou a atenção foi a da altura dos aminoácidos 69 e 70, que era encontrada na variante Alfa, identificada no Reino Unido. A variante também tem a mutação N501Y, muito característica da variante Gama, que também aconteceu nas linhagens da variante Beta. Ela também tem a mutação E484A, o que demonstra que a cepa está ‘mutando’ em vários ‘sítios’ que já tínhamos mapeado ao longo do tempo”, explica.

Siga o Brado Jornal no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão
Veja Também
Alexandre de Moraes prorroga por 90 dias inquérito sobre supostas “milícias digitais”
O inquérito das supostas “milícias digitais antidemocráticas” foi aberto em julho por decisão de Moraes.
Ex-aliada de Bolsonaro na Bahia afirma: 'Se Moro conseguir desbancar Jair no primeiro turno, pra mim ninguém segura mais ele'
“Se ele Moro conseguir desbancar Bolsonaro no primeiro turno, pra mim ninguém segura mais ele. Nosso maior desafio é esse”, disse a Dayane.
Salvador cede ambulâncias do Samu para cidades atingidas pelas chuvas no estado
Os veículos em formato 4x4 são destinados aos municípios de Itambé, Itabuna, Eunápolis e Itamaraju
Ministério da Saúde reduz quarentena por Covid-19 para sete dias
Os pacientes que estiverem sem sintomas após os cinco dias, mas que continuarem testando positivo para o novo coronavírus terão de permanecer isoladas até 10 dias depois da infecção para serem liberadas.
Lewandowski manda MP punir pais que não vacinam filhos contra a Covid
No início de janeiro, o Ministério da Saúde aprovou a disponibilização da vacina da Pfizer para as crianças de 5 a 11 anos, seguindo recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas ressalvou que ela não seria obrigatória.
Lei Rouanet terá novas mudanças, anuncia secretário
“Antes, os aluguéis chegavam a milhões de reais, consumindo uma imensa parte dos recursos da Rouanet”, disse Porciuncula, que tem se dedicado a enxugar os gastos da Lei Rouanet, criticada por altas despesas.
Carregando..