Cinema Exclusivo

Fracasso, Ó Paí, Ó 2 Filme de Lázaro Ramos e Globo Amarga o 5º Lugar nas Bilheterias após Boicote

O filme Ó Paí, Ó 2, amarga o 5º Lugar nas Bilheterias Brasileiras e pode ser um dos maiores fracassos nacionais após Boicote da Direita
Por: Brado da Redação 27.nov.2023 às 16h59 - Atualizado: 28.nov.2023 às 05h39
Fracasso, Ó Paí, Ó 2 Filme de Lázaro Ramos e Globo Amarga o 5º Lugar nas Bilheterias após Boicote

O Filme Ó Paí, Ó 2, do ator Lázaro Ramos que contou com a coprodução da Globo Filmes, teve uma das piores estreias do cinema nacional durante este fim de semana, segundo dados consolidados da Comscore, o longa amargou o 5º Lugar nas bilheterias brasileiras ficando atrás de filmes como Napoleão, Jogos Vorazes, As Marvels e Five Nights at Freddy's.

O primeiro filme da franquia foi um grande sucesso e chegou a ficar em terceiro lugar na sua estreia em 2007 ficando atrás apenas de grandes Blockbuster da época como o filme 300 de Sparta e Motoqueiro Fantasma, mas Ó Pai, Ó 2 não conseguiu repetir o mesmo feito, e a previsão é que nos próximos dias o número de espectadores caia ainda mais ficando atrás de filmes nacionais como Nossa Sonho de Claudinho e Buchecha e Mussum que sem a agenda ideológica tiveram boa aceitação do público, ao contrário do filme Som da Liberdade que foi cancelado pela imprensa mas conseguiu bater recorde de bilheteria e ficou em primeiro lugar durante quase um mês, Ó Pai, Ó 2 teve grande apoio da mídia mas sofreu uma campanha de boicote do público mais alinhado a direita, assim como o filme da Xuxa que mesmo com a ajuda do Governo Federal e Ministério da Saúde distribuindo ingressos de graça não foi suficiente para atrair o público aos cinemas, ficando poucas semanas em cartaz e logo saiu das salas de cinema por falta de público, o filme de Lázaro Ramos tem todos os indícios de repetir este feito e ser um grande fracasso. 

O longa que se passa no pelourinho na capital da Bahia Salvador, marca o retorno do ator Lázaro Ramos como "Roque", ao lado de uma nova geração de personagens, o segundo filme da franquia que também já teve uma série da Rede Globo, não contou com a participação de Wagner Moura que interpretou o "Boca" e ficou conhecido pela icônica cena em que "Roque" enfrenta o racismo e prega a igualdade no primeiro filme, de fato o primeiro filme já tinha várias mensagens contra o racismo, homofobia e até a intolerância religiosa e nem por isso deixou de ser um grande sucesso inclusive foi elogiado por grande parte da direita, porém o segundo filme parece ter mudado um pouco o cenário e o formato da "mensagem", assim como o grande sucesso de Tropa de Elite que consagrou o então considerado "facista" capitão nascimento como um herói nacional e não teve continuidade devido ao entendimento da "mensagem" contrária aos objetivos de Wagner Moura e do diretor José Padilha assumidamente de esquerda e apoiadores de Lula (PT), o foco da segunda edição de  Ó Pai, Ó  foi passar mais da agenda "Woke" de forma "desenhada" em formato de "sitcom global" estilo um "Zorra Total" ou uma comédia de sessão da tarde que já não agrada a grande parte do público principalmente os mais alinhados a direita que deixaram de assistir a emissora por alinhamentos políticos desde 2018, mas o que atrapalhou mesmo o filme foi o envolvimento de seu principal personagem com a política e o enfrentamento ao público da direita.

Ó Pa, o Boicote Ó

O filme foi cercado de polêmicas, desde o seu lançamento, o longa entrou na lista de boicotes que vem sendo promovidos pela direita e que visam não comprar ou colaborar com marcas que patrocinem ou estejam ligados a esquerda, dentre eles produtos, filmes, influenciadores e famosos que "fizeram o L" ou que tenham feito campanha aberta ao atual presidente Lula (PT).

A situação se agravou ainda mais após o ator principal do filme Lázaro Ramos botar mais lenha na fogueira, durante um podcast "Quem pode, pod", comandado por duas atrizes de extrema-esquerda: Giovanna Ewbank esposa de "Bruno Gagliasso" e Fernanda Paes Leme, o ator falou sobre a campanha de boicote e respondeu o público de direita afirmando: "Essa gente ‘o ó’ desse governo que estava aí, gente péssima, horrorosa",  “Não assistiram e disseram que eu fiz o filme para falar mal do ‘inominável'”, ressaltou Lázaro, em referência a Bolsonaro. “Se eu pudesse, teria feito um filme para falar mal dele. Não era esse, seria, inclusive, outro filme”. após as falas polêmicas a Hashtag #BoicoteLazaroRamos explodiu e ficou entre os assuntos mais comentados no X, antigo Twitter e foi o assunto mais comentado em redes sociais como Instagram e tiktok.

Após as declarações polêmicas de Lázaro, acendeu um alerta da equipe de divulgação do filme entre elas a própria rede Globo, a primeira medida foi adiar o lançamento do filme previsto para o dia 15 de novembro, e mudado para a dia 23 ás véspera da Black Friday para aproveitar as promoções de cinemas a R$ 12 e ver se ajudava a impulsionar o filme, antes do lançamento foi feito uma pré-estreia a primeira com "convidados" e após "muitos pedidos" abriram mais 4 sessões com venda de ingressos que tiveram salas lotadas, isso serviu de munição para velha imprensa dizer que o filme teve "salas cheias" e que o boicote "não tinha funcionado" pelo contrário teria ajudado o filme, mas a verdade é que o filme foi exibido apenas na capital baiana e lógico que teria público para lotar uma salinha pequena com capacidade de menos de 200 pessoas no cinema Glauber Rocha, mas a verdade é que segundo dados da comscore a pré-estreia do filme amargou o 8º Lugar no Brasil. 


No dia da estreia oficial na quinta-feira 23, o filme alcançou o seu maior público até então, mais ainda assim ficou apenas em 4ª Lugar nas bilheterias, a Rede Globo ainda exibiu várias chamadas para divulgar o filme em programas como Fantástico e no sábado ainda teve uma divulgação com Ivete Sangalo que contou com a participação de Lázaro Ramos para tentar alavancar o filme no final de semana, mas nada disso foi suficiente, durante todo o final de semana o filme já dava sinais que iria "Flopar", alguns influenciadores de direita e até várias pessoas "inclusive de esquerda" publicaram fotos e vídeos em que mostravam o cinema vazios durante a exibição do filme, em Salvador uma das capitais mais à esquerda do Brasil que teve mais de 70% de votos para Lula(PT), o filme também teve muitas salas vazias, durante todo dia foi possível observar no site ingresso.com na rede Cinemark que o público variou entre o mínimo de 16 pessoas a no máximo 150 pessoas em uma sala com capacidade de mais de 300, foi possível observar apenas 3 salas com capacidade acima de 150 pessoas durante os horários de pico.

Mesmo diante do boicote da direita, tudo indica que estranhamente o filme parece ter sido também boicotado por grande parte dos "60 milhões" de eleitores que votaram no atual presidente, o fato é que a onda de boicote da direita tem funcionado muito e grandes marcas agora devem repensar o modelo e principalmente qual o posicionamento político do "seus Garotos Propagadas" e o pagamento do "Pedágio Ideológico" em suas obras e publicidades daqui pra frente, para não sofrer mais um forte boicote da outra grande metade da população mais alinhada a direita.

Confira o vídeo que viralizou no Twitter



📲 Baixe agora o aplicativo oficial da BRADO
e receba os principais destaques do dia em primeira mão
O que estão dizendo

Deixe sua opinião!

Assine agora e comente nesta matéria com benefícos exclusivos.

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar nesta matéria!

Carregar mais
Carregando...

Carregando...

Veja Também
PF deflagra a 28ª fase da Operação Lesa Pátria
Policiais federais cumprem 27 mandados judiciais nos estados de Goiás, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina
Governo Lula lança site para detectar e combater ‘discurso de ódio’ na web
Portal Ódio ou Opinião foi divulgado nesta terça-feira (18)
‘Jerônimo, até quando o senhor vai fechar os olhos?’, questiona ACM Neto após a Bahia aparecer no topo da violência em pesquisa
A declaração ocorreu após a divulgação do Mapa da Violência de 2024 pelo Atlas
Carregando..