Julgamento que pode cassar mandato de Moro é retomado nesta quarta (4)

TRE-PR analisa ações do PL e do PT que pedem cassação do senador por gastos excessivos na pré-campanha em 2022; o caso começou a ser julgado em 1º de abril com as sustentações orais e voto do relator
Por: Brado Jornal 03.abr.2024 às 07h26
Julgamento que pode cassar mandato de Moro é retomado nesta quarta (4)
Foto: Reprodução / Pedro Ladeira

O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná retoma nesta quarta-feira, 3, a análise de duas ações que pedem a cassação do mandato e a inelegibilidade de Sergio Moro (União Brasil-PR), senador e ex-juiz da operação Lava Jato. 

A análise do caso começou na segunda-feira, 1, e foi interrompida por um pedido de vista pelo desembargador José Rodrigo Sade, que assumiu vaga no tribunal em 6 de março por indicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Até o momento, há um voto para manter o mandato de Moro. Ao todo, restam os votos de seis desembargadores.

O juiz Luciano Carrasco Falavinha, relator, se manifestou contra a cassação e inelegibilidade de Moro e de seu suplente, Luiz Felipe Cunha. Em mais de duas horas de voto, disse não ter provas suficientes que justifiquem a perda do mandato. 

No caso de perda de mandato, Moro poderá recorrer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para se salvar de uma possível cassação.

O juiz Sergio Moro é acusado de prática de abuso de poder econômico, caixa 2, uso indevido dos meios de comunicação e irregularidade em contratos.




📲 Baixe agora o aplicativo oficial da BRADO
e receba os principais destaques do dia em primeira mão
O que estão dizendo

Deixe sua opinião!

Assine agora e comente nesta matéria com benefícos exclusivos.

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar nesta matéria!

Carregar mais
Carregando...

Carregando...

Veja Também
Delegados processam Eduardo Bolsonaro por chamar PF de “cachorrinhos do Moraes”
Sindicato pede indenização por danos morais em R$ 56 mil
TSE retoma julgamento que pode cassar mandato do senador Jorge Seif
Parlamentar foi absolvido no TRE de Santa Catarina; MP Eleitoral defende procedência da ação
Carregando..