"O governador precisa começar a trabalhar", aponta ACM Neto

Ex-prefeito de Salvador se manifestou após divulgação do PNAD; dados apontam que metade dos baianos vivem na linha da pobreza
Por: Brado Jornal 24.mai.2023 às 19h40

O secretário-geral do União Brasil e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, criticou nesta quarta-feira (24) a falta de ações concretas do Governo Estadual para melhorar os índices registrados na Bahia. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 51,6% dos baianos estão vivendo na linha da pobreza. 

"Nós estamos acostumados a ver a propaganda do PT da Bahia e sempre eles dizem que gostam de cuidar de gente, que trabalham pra cuidar de gente. Mas será que isso é verdade? Os números mostram que não", destacou Neto. "Na semana passada os dados do IBGE demonstraram que a Bahia é, pelo quinto ano consecutivo, campeã nacional em número de desempregados. Agora, a PNAD demonstra que mais de sete milhões de baianos vivem com até R$ 665 por mês", acrescentou. 

Apesar de o estudo apontar que a taxa de pobreza no Brasil retraiu, a população da Bahia continua sem incentivos capazes de ampliar as vagas no mercado de trabalho, reduzir os índices de violência no estado ou melhorar a qualidade do ensino ofertado pela rede pública. "Esse é o verdadeiro resultado, é o legado dos governos do PT. Eles que nos governam há 17 anos", ponderou ACM Neto em publicação feita nas redes sociais.  

"A gente não pode deixar de perguntar o que o atual governador, que está aí há quase seis meses, tem feito nesse período para combater a pobreza, para diminuir a desigualdade, para dar mais oportunidade para os baianos. A verdade é que não fez nada de concreto. É muita propaganda, muito discurso, campanha para cá, campanha para lá, pede doação disso, mas políticas públicas que mudem a vida dos baianos? Isso nós não estamos vendo", questionou. 

ACM Neto enfatizou ainda que a Bahia tem um enorme potencial de crescimento, com capacidade de se tornar "a verdadeira locomotiva do Nordeste". "A gente não precisa ostentar números tão ruins. Somos campeões nacionais da violência, primeiro lugar em desemprego, um dos estados do Brasil com o maior número de pobres. A gente quer ver a Bahia crescendo, sendo líder e se desenvolvendo. E para isso, precisa ter governo. E o governador precisa começar a trabalhar", salientou. 

"Não dá pra gente perder mais tempo. Dezessete anos de atraso é muito tempo perdido. Nós queremos ver o governador Jerônimo Rodrigues parar de fazer propaganda e discurso e começar a tomar decisões concretas que melhorem a vida dos baianos", finalizou.




📲 Baixe agora o aplicativo oficial da BRADO
e receba os principais destaques do dia em primeira mão
O que estão dizendo

Deixe sua opinião!

Assine agora e comente nesta matéria com benefícos exclusivos.

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar nesta matéria!

Carregar mais
Carregando...

Carregando...

Veja Também
Flamengo alega 'discriminação' e rejeita cotas a mulheres e negros em comissões
A bancada feminina apela para que a Comissão de Estatuto reconsidere sua decisão e adote medidas que assegurem igualdade de oportunidades para todos, independentemente de gênero
Moraes determina que hospitais informem se estão cumprindo decisão sobre aborto
A intimação aconteceu nesta quarta-feira (19)
Prefeitura entrega multicentro de Saúde em Amaralina com capacidade para 71 mil procedimentos por mês
O prefeito Bruno Reis afirmou que a unidade terá custeio mensal de R$2 milhões e ressaltou que o novo multicentro vai triplicar a capacidade de operação em relação ao antigo equipamento
Lira adia PL do aborto para segundo semestre
Presidente da Casa Baixa disse que Câmara não é monocrática
Assaltantes fingem ser da polícia para roubar carro-forte em aeroporto
Caso ocorreu no aeroporto de Caxias do Sul na noite desta quarta-feira (19). Polícia faz buscas aos criminosos que conseguiram fugir
Toffoli anula provas da Odebrecht contra João Santana, ex-marqueteiro de Lula
O ministro do STF estendeu a João Santana e sua esposa, a empresária Mônica Moura, a anulação do uso das provas do acordo de leniência da Odebrecht
Carregando..