"Não há necessidade de greve", diz ministro da educação

A greve começou em 3 de abril
Por: Brado Jornal 10.jun.2024 às 14h14 - Atualizado: 10.jun.2024 às 14h14
Lula Marques/Agência Brasil

Há mais de 2 meses do início da greve em universidades e institutos federais, o ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou nesta segunda-feira (10) que não havia necessidade de paralisação. A greve começou em 3 de abril.

“Eu acredito que greve é o limite onde não há mais condições de negociação. Então, eu não via anteriormente ao início da greve necessidade, porque esse é um governo que, depois de 6 anos sem reajuste salarial, deu um reajuste de 9% no seu 1º ano de governo”, afirmou. A declaração foi dada em reunião com representantes das universidades federais, no Palácio do Planalto.

Conforme o ministro, o aumento salarial de 9% para os servidores da educação tem um impacto de mais de R$ 8 bilhões no orçamento do Ministério da Educação.

“Quando a gente fala de orçamento, é importante os reitores e reitoras terem a compreensão que não é só custeio, é investimento, pessoal, é tudo que entra no MEC”, declarou.

Santana anunciou que, além da negociação que foi feita com os docentes, apresentará uma proposta 3ª feira (11.jun) para novos técnicos administrativos.

“Todos precisam ajudar para a gente poder sair desse impasse e garantir aí, o que é mais importante, a retomada das aulas para os nossos alunos, o papel que as universidades têm para esse país”, disse o chefe da Educação. Entretanto, como mostrou o Poder360, a reunião deve ter um impacto nulo nas greves de professores e técnicos de instituições federais por todo o Brasil.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou R$ 4,02 bilhões para institutos federais. Como já havia R$ 1,5 bilhão previsto no PAC para hospitais universitários, o total do programa para educação vai para R$ 5,5 bilhões.


Os recursos virão do Novo PAC (Programa de aceleração do Crescimento) divididos em 3 áreas:

  • consolidação (R$ 3,75 bilhões) – obras na estrutura física das universidades como salas, auditórios e laboratórios;
  • expansão (R$ 600 milhões) – serão 10 novos campi divididos pelas 5 regiões do país;
  • hospitais universitários (R$ 250 milhões) – com 8 novos hospitais e 37 obras em 31 hospitais que já existem.


Além desses recursos, o ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou um incremento de R$ 400 milhões no Orçamento de custeio das universidades e institutos. A verba poderá ser usada por determinação dos reitores e gestores, sendo R$ 279,2 milhões para as universidades e R$ 120,7 milhões para institutos.

Enquanto as autoridades discursavam no 2º andar do Planalto, o megafone e buzinas dos manifestantes eram ouvidos.



📲 Baixe agora o aplicativo oficial da BRADO
e receba os principais destaques do dia em primeira mão
O que estão dizendo

Deixe sua opinião!

Assine agora e comente nesta matéria com benefícos exclusivos.

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar nesta matéria!

Carregar mais
Carregando...

Carregando...

Veja Também
Lira adia PL do aborto para segundo semestre
Presidente da Casa Baixa disse que Câmara não é monocrática
‘Jerônimo, até quando o senhor vai fechar os olhos?’, questiona ACM Neto após a Bahia aparecer no topo da violência em pesquisa
A declaração ocorreu após a divulgação do Mapa da Violência de 2024 pelo Atlas
Greve da UFBA é mantida
Nova assembleia foi realizada na terça-feira (18)
PF deflagra a 28ª fase da Operação Lesa Pátria
Policiais federais cumprem 27 mandados judiciais nos estados de Goiás, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina
Moraes determina que hospitais informem se estão cumprindo decisão sobre aborto
A intimação aconteceu nesta quarta-feira (19)
Carregando..