Justiça suspende decisão que afastou Jorge Viana da presidência da Apex

TRF1 acolheu entendimento de que Jorge Viana preenche requisitos para ocupar cargo
Por: Brado Jornal 26.mai.2023 às 06h25
Justiça suspende decisão que afastou Jorge Viana da presidência da Apex
29/03/2023REUTERS/Thomas Peter

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) suspendeu a decisão da 5ª Vara Federal Cível do Distrito Federal que anulou na segunda-feira (22) a posse de Jorge Viana no cargo de presidente da ApexBrasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). Ele havia sido nomeado para assumir a presidência da agência em janeiro.


A decisão atendeu a um pedido movido pelo senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), que acusou Viana de ter alterado o estatuto para que a fluência na língua inglesa não fosse exigência para o exercício da presidência da agência.


A decisão que anulou a posse de Viana é liminar e foi assinada pela juíza Diana Wanderlei.


Caso ele não comprovasse a fluência em inglês, a magistrada determinou afastamento imediato do cargo. Com isso, ele ficou impossibilitado de ser nomeado novamente. A juíza deu 45 dias para Viana apresentar certificado de escola autorizada a ministrar aula de inglês e ainda a declaração de dois profissionais renomados no idioma.


O desembargador federal Marcos Augusto de Souza concordou com o entendimento apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU) alegando que Viana preenche os requisitos para ocupar o cargo.


Na decisão em que acolheu o pedido da AGU, o vice-presidente do TRF1 reconhece, conforme argumentado pela Advocacia-Geral, que o estatuto da ApexBrasil estabelece três formas alternativas para comprovação de aptidão para o cargo: certificado de proficiência ou certificado de conclusão de curso de inglês – nível avançado; experiência internacional (residência, trabalho ou estudo) por período mínimo de um ano e experiência profissional no Brasil, de no mínimo dois anos, que tenha exigido o conhecimento e a utilização do idioma no desempenho das atribuições.


“Nessa linha, o ente federal colaciona aos presentes autos documentos que, ainda que em exame superficial, próprio da espécie, comprovam o cumprimento dos dois últimos requisitos alternativos – atestando que o nomeado ocupou a função de membro (titular e suplente) da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional no período de 22/02/2011 a 21/12/2018, além de ter participado de várias missões no exterior e de ter integrado diversas comissões e grupos com atuação no plano internacional”, diz o desembargador na decisão.


O TRF1 informou que o desembargador também concordou com a preocupação manifestada pela AGU de que “o afastamento de Viana do cargo gerava prejuízo para o fomento das exportações brasileiras”.


“Nessa linha, vê-se que a União trouxe ao processo o último relatório de gestão da APEXBrasil, referente ao ano de 2022, a revelar que tais atividades repercutem diretamente em diferentes setores da economia nacional, tais como o comércio por atacado, a fabricação de produtos alimentícios, entre outros, os quais também restariam prejudicados com a manutenção da decisão atacada, de onde se extrai também o risco de lesão à economia”, diz a decisão.


Currículo

Engenheiro e professor universitário, Jorge Viana é formado em engenharia florestal pela Universidade de Brasília (UnB). Entre 1993 e 1996 ocupou seu primeiro cargo público, como prefeito de Rio Branco, capital do Acre e também sua cidade natal.


Em seguida, foi eleito governador do estado por dois mandatos consecutivos, de 1999 a 2006. Depois, em 2011, foi eleito senador, cargo que exerceu até 2019. Já em 2022, perdeu a disputa ao governo estadual para o atual governador Gladson Cameli (PP), que se reelegeu com 56,5% dos votos. Viana também foi o primeiro vice-presidente do Senado.


O ex-senador já atuou também na iniciativa privada e é associado a pautas ambientais, especialmente na defesa de projetos de desenvolvimento sustentável.


Indicação para Apex

O anúncio de Viana para o cargo foi feito pelo vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, ainda em dezembro de 2022, durante o governo de transição, antes da posse.


A agência está vinculada ao MDIC e atua na promoção comercial de produtos e serviços brasileiros no exterior, além de estimular a internacionalização das empresas nacionais e investimentos estrangeiros no Brasil.


*com informações da Agência Brasil.



📲 Baixe agora o aplicativo oficial da BRADO
e receba os principais destaques do dia em primeira mão
O que estão dizendo

Deixe sua opinião!

Assine agora e comente nesta matéria com benefícos exclusivos.

Sem comentários

Seja o primeiro a comentar nesta matéria!

Carregar mais
Carregando...

Carregando...

Veja Também
Justiça determina emissão de RG sem o campo “sexo”
Juiz atendeu a uma liminar do Ministério Público Federal
"Saidinha agora só pro cemitério", comemora Fahur derrubada de veto
O deputado comemorou a derrubada do veto de Lula sobre as saídas temporárias de presos
Tribunal de Contas multa prefeito na Bahia
Elter Bastos Silva, prefeito do município de Wagner, descumpriu decisão do Tribunal
Governador da Bahia terá aumento de salário; entenda
Reajuste também se estende ao vice-governador e secretários estaduais
Congresso acaba com saídas temporárias de presos em feriados
O presidente vetou o trecho da lei que proibia o saidão para visitação a familiares durante datas comemorativas, mas os parlamentares decidiram, por 339 votos favoráveis na Câmara e 47 no Senado, manter a proibição
PL de cidade baiana tem diretório liderado por amigo do PT
Em participação do quadro 'BRADO popular', ouvinte de Ituberá disse que o presidente do PL na cidade é ligado PT
Carregando..